06 Março, 2013

Hoje acordei e pensei em escrever, escrever e escrever. Porém, sinto-me sem ideias, ou melhor, digamos que chego a não conseguir ter ideias sobre nada. Cheguei a um ponto em que nada me parece fazer qualquer sentido. 

Estou farta de rotinas, farta das mesmas caras e dos mesmos caminhos. Estou farta de pensar naquilo que sou ou poderei ser sem chegar a qualquer conclusão.

Sinto-me uma sonhadora, construo caminhos à minha volta, imagens irreais que nunca sei concretizar. Parece que tudo me é estranho até chegar a um ponto em que faço por fazer. É normal fazermos alguma coisa simplesmente porque estamos habituadas a ela e já não pensamos o porquê? 

Tudo perdeu o brilho, já nada tem cor, é tudo preto no branco e não passa disso. Há dias em que acordo e penso pintar e dar cor aquilo que não pode mudar, porque simplesmente permanece tudo igual.

Sendo uma sonhadora, sei que o impulso lá estará. No entanto, a vontade é tão pouca, o sonho tão irreal que se torna difícil de alcançar. Repleta de monotonia passo os meus dias, como se esperasse sempre pelo acontecer de alguma coisa nova, algo diferente, um novo patamar, um “clique” que mude tudo. Mas o que será?

Não sei o que será, não sei quem sou quanto mais saber o que quero. Sempre fui muito indecisa, confusa e dispersa nos meus próprios pensamentos. É como se olhasse para os outros e pensasse que neles é tudo tão simples e claro, e que nesse momento desejasse ser de tal maneira igual.

+